26 de Mai de 2020

Emergência cultural

Convido você para refletir junto comigo sobre uma palavra que faz parte da vida de todo ser humano. O que vem à sua cabeça quando lê ou escuta a palavra "Cultura"? Você já pesquisou quantos conceitos existem sobre essa palavra? O historiador e filósofo brasileiro Roque Laraia (1932) apresenta estudos e fatores históricos, biológicos e geográficos sobre essa que nos acompanha desde antes do nascimento. Segundo o site significados.com, “cultura significa todo aquele complexo que inclui o conhecimento, a arte, as crenças, a lei, a moral, os costumes e todos os hábitos e aptidões adquiridos pelo ser humano não somente em família, como também por fazer parte de uma sociedade da qual é membro”. Já o site dicionarioetimologico.com aponta para a origem latim da palavra “culturaculturae, que significa ação de tratar, cultivar’ ou cultivar a mente e os conhecimentos”.

A cultura está presente em todas as áreas de conhecimento e cada pessoa traz consigo elementos culturais que compõem sua personalidade humana. O ser humano é o único animal dotado de cultura, este é um fator que o diferencia dos outros animais e para ter uma ideia da complexidade que há na cultura, basta observar atentamente o comportamento e valores de uma pessoa ou comunidade. Em agosto de 2019 o IBGE divulgou que a população brasileira estava em torno 210.147.125 pessoas. Cada pessoa é um contexto-corpo-cultural que se relaciona com inúmeros outros, sem falar nos contextos espaciais e sociais como a família, a escola, a comunidade e as organizações que estes corpos integram. Cultura e humanidade são indissociáveis, pensar uma sem a outra, não é sustentável.

O entendimento sobre a importância e dimensões da cultura em uma sociedade deu origem ao Ministério da Cultura em 15 de março de 1985, quando as atribuições desta pasta deixam de ser de autoridade do Ministério da Educação, que desde 1953 chamava-se Ministério da Educação e Cultura (MEC), e passam a ter autonomia no então MinC. Segundo o Artigo 215 da Constituição Federal Brasileira de 1988, “O Estado garantirá a todos o pleno exercício dos direitos culturais e acesso às fontes da cultura nacional e apoiará e incentivará a valorização e a difusão das manifestações culturais”. Em 2019, o Ministério da Cultura foi reduzido à Secretaria Especial de Cultura.

A cultura é transversal a todas as áreas de conhecimento, no entanto, ela não é uma prioridade para a gestão política do nosso país. O cenário atual de pandemia no Brasil evidencia este histórico descaso. Estamos em isolamento social há dois meses e o setor cultural só conseguiu articular um projeto de alcance nacional agora, com o PL 1075/2020 que tem por objetivo implementar ações emergenciais destinadas ao setor cultural enquanto as medidas de isolamento ou quarentena estiverem presentes. O Projeto de Lei que tem como relatora a Deputada Federal Jandira Feghali, RJ, é uma luta da cultura e cultura não se faz sozinhx. Ele será votado nesta terça-feira, 23/05/2020, feito por muitas mãos e impulsionado por muitas vozes, tem o apoio de artistas, produtorxs, gestorxs, agentes culturais, mestrxs, de todo o Brasil.

É necessário lembrar que os profissionais da cultura, dentre outras atribuições, se dedicam “a insuflar energia na cultura potencial da agremiação na qual ele exerce sua ação”, “estimulam, compartilham e impulsionam as vivências das comunidades produtoras de cultura de uma dada localidade, estão preparados para não só trazer em si a capacidade de acumular lembranças coletivas, mas também o dom de ordená-las, partindo da aptidão de compreender a dimensão temporal da cultura”. Estes não são menos importantes que outros profissionais brasileiros.

Para atender aos contratos especiais de aprendizagem, em que os jovens permanecem com a instituição formadora durante os dois anos de atividades, decidimos criar a Produtora Cultural Pontos Diversos. Em quase dois anos de atividades, nossos jovens produziram conhecimentos embasados em conteúdos científicos, históricos e filosóficos, mas em nenhum momento se distanciaram daquilo que são, representados por seus valores culturais. As limitações e habilidades são fatores de potência para nossas criações coletivas e construtivas. A produtora construiu, nestes dois anos, um portfólio compatível com demandas de uma sociedade excludente e ofertas de corações pujantes por arte e criatividade, políticas afirmativas e desejo de mudança.

Aqui na Pontos Diversos, nós acreditamos na cultura e em suas potências infinitas porque ela habita o ser humano e nós acreditamos no ser humano e em sua capacidade de transformar o mundo, seja brincando, realizando sonhos, projetos de vida, construindo casas, cuidando da horta, produzindo eventos, dançando, fazendo poesia, palestrando, calculando. A cultura habita onde habita o humano e este é o meu apelo à sociedade e seus representantes: não ignorem a cultura. Votem a favor do PL 1075/2020 e não tenham medo de ser surpreendidos por nossa capacidade de nos reinventarmos todos os dias.

Pontos é Cultura e A cultura é vida!

Natureza França
Bacharel em Artes pela Universidade Federal da Bahia (UFBA)
Arte educadora e consultora em educação, especializada em identidade cultural
Conselheira da Pontos Diversos

 

 

 

 

Referências

https://www.revistamuseu.com.br/
https://www.infoescola.com/profissoes/agente-cultural/
LARAIA, Roque de Barros, 1932 Cultura: um conceito antropológico Rio de Janeiro, Zahar
https://www.dicionarioetimologico.com.br/cultura/
https://g1.globo.com/
https://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2019-08/estimativa-da-populacao-do-brasil-passa-de-210-milhoes-diz-ibge